fbpx

Novidades

Empreendedorismo de ELITE: Juan Tonconogy (Casa de Uco Vineyards)

Gastronomia / Negócios / 18/09/2019

Juan Tonconogy fala sobre a vinda dos vinhos produzidos no Vale de Uco para o Brasil e explica quais são as metas e objetivos para o futuro com essa nova investida.

 


Juan é o dono da vinícola mais conectada com a natureza da Argentina. Além disso, é o responsável pela Casa de Uco Vineyards, um ambiente que une a natureza com seus vinhedos bem cuidados e a construção rústica do hotel, tudo para oferecer aos clientes e visitantes uma experiência única em sabor e ambiente. 

A localização, o cuidado, a temperatura e a experiência fazem a produção orgânica de vinhos da Casa de Uco Vineyards ser reconhecida como uma das melhores da América do Sul, o que fez os famosos vinhos se tornarem os mais novos sabores de São Paulo.

 

QUAL O MOMENTO DA EMPRESA DIANTE DA CHEGADA DO SEU VINHO AO BRASIL E QUAIS AS ESTRATÉGIAS?

 

O Projeto Casa de Uco é um projeto familiar, iniciado pelo meu pai que era arquiteto. Na verdade, toda a família vem do ramo imobiliário e construção. Sempre estivemos relacionados com arquitetura e construção de edifícios na Argentina e no exterior. Meu pai é um arquiteto muito reconhecido e eu comecei neste mundo dos vinhos há 17 anos.

O hotel Casa de Uco Vineyards é uma sinergia entre a produção de vinho da nossa fazenda com os 320 hectares de vinhedos plantados na Cordilheira, no Vale de Uco em Mendoza. Uma área excelente para vinhos de alta qualidade! 

Isso tudo combinado com o turismo e a hotelaria do Vale de Uco, para que realmente as pessoas possam disfrutar da natureza, de experiências autênticas, e estarem em contato com a terra.

 

 

 

A PROPOSTA DA CASA DE UCO É TUDO SER INTEGRADO COM O HOTEL E A NATUREZA?

 

Decidimos no hotel fazer uma construção que se integre à geografia do lugar. Isso porque Mendoza tem um clima desértico, de montanha, e queremos que as pessoas se sintam de uma forma mais harmoniosa. 

É um hotel que surgiu do zero e por isso usamos muitos materiais naturais, como concreto e pedra. Por dentro tem bastante madeira para que a pessoa possa se sentir em um lugar mais quente. Também usamos muito vidro para integrar todos os ambientes. 

 

O QUE PODEMOS DIZER PARA AS PESSOAS SOBRE AS CARACTERÍSTICAS DO VINHO DE VOCÊS?

 

Isso é muito interessante, porque as pessoas que nos visitam são majoritariamente do Brasil. Eles estão sempre perguntando quando poderão provar o vinho no Brasil. 

E agora chegaram os vinhos no Brasil! Oferecemos principalmente Malbec, mas também temos um Pinot Noir muito fresco, muito leve e muito delicado. Um Bland de Malbec, Cabernet Franc e Petit Verdot. 

Também traremos vinho orgânico, ainda mais selvagem. Procuramos tornar o vinho o mais autêntico possível para que cada garrafa expresse o local de onde vem a nossa vida.

 

ONDE ELES SERÃO DISTRIBUÍDOS?

 

Por enquanto em São Paulo e depois iremos crescendo com o tempo, fazendo as coisas pouco a pouco. Teremos ajuda de uma distribuidora, eles vendem online mas também têm a distribuição em lojas de vinhos. 

A ideia é trabalhar o mercado, fazer degustações por um tempo para falar um pouco da filosofia da fabricação de vinhos. Somos uma vinícola pequena apontando para a alta qualidade, e almejamos crescer aos poucos.

 

COMO VAI FICAR A SUA ROTINA QUANTO EXECUTIVO NESSA VIA ARGENTINA – BRASIL?

 

Eu viajo o mundo todo vendendo nossos vinhos e também o hotel. Passo pelos Estados Unidos, Inglaterra, Brasil… 

Viajo não somente para vender os vinhos mas, principalmente para falar sobre as experiências que o turista pode ter no Vale De Uco e também na nossa propriedade. 

 

COMO VOCÊ LIDA COM A GESTÃO DO TEMPO?

 

É importante contar com uma boa equipe de trabalho, porque um não pode fazer tudo, e você precisa ter uma visão geral e estratégica quando viaja a trabalho. Além disso, é importante fazer um acompanhamento do que está acontecendo. 

Há momentos em que podemos perder o foco nas estratégias de novos projetos, e é importante que as tarefas operacionais reduzam a terceirização da equipe. É preciso delegar tarefas com clareza entre os funcionários, e para isso é preciso entender o motivo e tentar fazer a execução soar natural para a outra pessoa. Mas é muito difícil fazer isso!

 

 

E PARA OXIGENAR A MENTE, QUAL A SUA ESTRATÉGIA DE LAZER?

 

Muito esporte, tenho as competições de carros clássicos com corridas na Itália, Argentina. Gosto muito dos carros clássicos! 

Gosto de jogar futebol, gosto de surf, por isso viajo para o Brasil e para a Costa Rica. Justamente para ser saudável, já que minha mulher é vegetariana. 

Gosto de tomar um bom vinho  e principalmente de viajar que é quando me aparecem as ideias.

 


DAS ÚLTIMAS VIAGENS QUE FEZ, QUAL FOI  A MAIS VALIOSA?

 

Eu acredito que de todas as viagens que já fiz, uma que me marcou foi a Itália. Valorizo muito a comida a simplicidade, o modo como cuidam da terra ao fazerem seus produtos, o foco são os produtores pequenos que fazem seu próprio alimento. 

Depois os lugares da América Cental, que trabalham muito com a sustentabilidade, já que lá não se usam o plástico, o que pode ser uma tendência para o mundo. Mas só aos poucos que as pessoas vão se conscientizando disso. 

 


COMO A TRANSFORMAÇÃO DIGITAL AFETA VOCÊS?

 

Temos que acompanhar na questão da tecnologia, mas eu acredito que não de forma desesperada. O trato pessoal é muito importante, o contato e o tato também. Tecnologia é importante, mas não é tudo, porque não é humano, senão perde a essência no cuidado com o relacionamento. Não acredito que tenha que ser tudo digital, mas ajuda.

Eu acho que a tendência é obrigar todos a responder mais rápido, mais curto, porque o tempo é limitado. Não se pode perder tempo com coisas que não servem. Temos que escutar, mas prefiro usar meu tempo com algo mais produtivo ou fazendo alguma coisa que está atrasada.

 

COMO VOCÊ AVALIA O QUE VALE A PENA INVESTIR O SEU TEMPO?

 

Primeiro, é importante que o projeto já esteja em alta e funcionando bem. Alguém sempre tem um montão de ideias, como por exemplo, “agora vamos abrir um supermercado orgânico que não existe”, ou vamos fazer outras coisas. Isso leva muito tempo e dá muito trabalho, então às vezes você precisa não perder o foco. 

Verificar se tem coisas ou aspectos relacionados ao que já se está gerando. Verificar se é possível tirar vantagem da mesma equipe de trabalho e o mesmo know how. Não sei se são coisas relacionadas ao negócio, mas se vale a pena, é preciso ir em frente e avaliar essa proposta ao máximo.

Eu pelo menos, nunca faria nada pelo qual não seja apaixonado. Por exemplo, quando surge uma ideia do tipo “vamos abrir uma fábrica de parafusos ou uma fábrica de talheres”; não me inspira paixão. 

Você vive sua vida trabalhando, na semana a maior parte do tempo está trabalhando. Se não gosta do que faz se torna um infeliz. 

 

O QUE VOCÊ ALMEJA PARA OS PRÓXIMOS ANOS?

 

Permanecer crescendo a nível de comunicação dos vinhos orgânicos e trabalhar bem os mercados para crescer no Brasil e nos Estados Unidos. Hoje, 30% da produção de uva que teremos este ano é orgânica e a meta é aumentar.

Em termos de hotelaria, abrir 2 ou três hotéis em outro lugar na Argentina ou no exterior, trazendo sempre a experiência com a natureza em um hotel dentro da cidade, por exemplo.


Tags:, , ,



Elite Magazine
A Revista Elite há 18 anos cria e acompanha as tendências do mercado de luxo.




Post Anterior

La Rouge Belle lança coleção de verão com posicionamento mais maduro

Próximo Post

Mania de Churrasco ! PRIME STEAK HOUSE inaugura seu primeiro restaurante fora dos shoppings





Você também pode gostar de



0 Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais histórias

La Rouge Belle lança coleção de verão com posicionamento mais maduro

A label traz suas inspirações dos hot spots praieiros mais cools do mundo como Tulum, Trancoso e St. Barth Por Laura Kassab Inspirada...

17/09/2019