fbpx

Novidades

Drinks do Seen São Paulo para refrescar o seu Verão

Com ou sem carnaval, resort em Maceió terá muita folia em fevereiro

Carnaval Ponta dos Ganchos Exclusive Resort 2021: concertos musicais na natureza, yoga na praia e tranquilidade como o momento pede

Comida de raiz: priorizando ingrediente nativos, restaurante Apó leva experiência emotiva a sua cozinha autoral

"Ceviche de Coco Verde" é uma deliciosa sugestão refrescante da Costa do Cacau

Circuito Litoral Norte lança novo conteúdo para Canal de Youtube

GR GROUP lança primeiro empreendimento greenfield de multipropriedade em Natal (RN)

A Regent Seven Seas Cruises® anuncia a maior promoção de upgrade de suíte de sua história

Natureza do Alentejo, em Portugal, é tão fascinante quanto seu patrimônio histórico

Emirates usa sua nova aeronave A380 com classe econômica premium em voos para Londres

Janeiro no Jurerê Open Shopping terá música, atividades físicas e atrações para as crianças

Amazônico reforça os sabores da Amazônia em menu assinado por Jhosy Bittencourtt e Adriano Cucato

Vila Galé Rio de Janeiro apresenta Sala e apartamentos “Clube Nep”

6 razões para visitar Jackson Hole assim que as fronteiras dos EUA abrirem

Anguilla: uma das primeiras ilhas Covid-Free do Caribe

Verão na Mantiqueira

Ovo Beach, em Punta del Este reabre e inicia temporada de verão 2021

Recife é o destino nacional mais procurado pelos brasileiros em 2020, segundo pesquisa do ViajaNet

Verão na Mantiqueira: conheça o Botanique Hotel&SPa, em Campos do Jordão

Grand Hyatt Rio de Janeiro apresenta pacotes para o verão

Onçafari realiza a primeira reintrodução de onças-pintadas bem-sucedida do mundo

Destaques / Homepage / LifeStyle / 11/01/2021

Reprodução dos animais mostra o êxito da iniciativa, com filhos e até neto de felinos reintroduzidos pela Onçafari

A reintrodução de animais na natureza começa a ganhar força por meio de ações como as realizadas pelo Onçafari. O projeto, criado para o estudo e conservação de onças-pintadas, por meio de sua frente Rewild (Reintrodução), desenvolvida em parceria com o CENAP/ICMBio, iniciou esse trabalho com felinos em 2014. Com dois recintos destinados à reabilitação e soltura, localizados no Refúgio Ecológico Caiman, no Pantanal; e na Pousada Thaimaçu, na Amazônia, a reintrodução já demonstra resultados. Duas onças-pintadas, as irmãs Isa e Fera, que passaram pelo processo já geraram descendentes, totalizando oito animais a mais na natureza até dezembro de 2020.

As irmãs Isa e Fera perderam a mãe ainda filhotes e foram recebidas pelo Onçafari, para iniciar o processo de reintrodução no Pantanal, em 2014. O processo durou exatamente um ano e, durante esse tempo, Isa e Fera foram observadas, estimuladas para aprenderem a caçar e, pouco a pouco, foram se tornando cada vez mais aptas à vida na natureza. Quando chegou o momento de soltura, ambas receberam um rádio-colar individual para monitoramento.

“O sucesso acontece quando os animais soltos geram descendentes, que, por sua vez, devem ser férteis. O processo começou a gerar resultados em 2018, com o nascimento dos primeiros filhotes em vida livre. Em 2020, nasceram as segundas crias e a Isa ainda se tornou avó, confirmando o êxito da reintrodução. No total, são três filhotes da Fera e dois da Isa, que também ganhou um neto. Sendo assim, são oito onças a mais no Pantanal. É a primeira vez no mundo que este tipo de iniciativa deu certo”, destaca Lilian Rampim, bióloga do Onçafari.

Como funciona?

O processo pode durar cerca de um ano ou até mais, dependendo das especificidades de cada caso, sendo uma importante ferramenta para a recuperação de populações em risco de extinção. Maior felino das Américas e terceiro maior felino do mundo, atrás apenas do tigre (Panthera tigris) e do leão (Panthera leo), a onça-pintada (Panthera onca), por exemplo, é considerada “quase ameaçada” pela IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza).

Assim que acontece o resgate, são avaliados a saúde e o comportamento dos animais e verificado se há condição de reintroduzi-los com sucesso à vida selvagem. “Em seguida, os felinos são inseridos em uma área de semi-cativeiro, com as mesmas características do habitat natural, para que possam aprender a caçar e interagir com o ambiente como qualquer animal selvagem. Trata-se de um espaço onde podem ser observados, compreendidos e avaliados constantemente pelos coordenadores do projeto”, explica Mario Haberfeld, fundador do Onçafari.

Se considerados aptos para serem reintroduzidos na natureza, os animais são equipados com rádio-colares dotados de GPS para o monitoramento após a soltura, e reintroduzidos no habitat natural. “O Onçafari monitora as onças para avaliar se estão conseguindo lidar com os desafios na natureza. No caso de não se adaptarem, há um novo resgate. Entretanto, essa ação não foi necessária até o momento”, ressalta Haberfeld.

Pandora e Vivara – as irmãs amazônicas

Mais uma ação com resultados positivos teve início em 2016. Resgatadas com poucos dias de vida e ficando sob cuidados de profissionais do NEX, em Brasília (DF), as onças-pintadas Pandora e Vivara estrearam o recinto de reintrodução de aproximadamente 15 mil metros quadrados na base do Onçafari, na Amazônia, construído a tempo para recebê-las, quando tinham um ano. No local, viveram por 12 meses, sendo observadas e tendo seus instintos de caça desenvolvidos, para depois serem soltas na Reserva do Cachimbo, área de preservação da Força Aérea Brasileira (FAB), e poderem viver livremente.

Depois que as irmãs amazônicas foram soltas, continuaram sendo monitoradas por meio de rádio-colares e armadilhas fotográficas. “Hoje, elas vivem totalmente adaptadas ao habitat e integradas ao ecossistema exatamente como a natureza pede”, comenta Haberfeld.

Onça-parda passa pela reintrodução no Pantanal

Primeira onça-parda sob os cuidados do Onçafari, a Cacau foi acolhida pelo projeto no segundo semestre de 2020, no Pantanal, depois de viver toda a vida em um espaço de poucos metros quadrados. Arisca e independente, o que contribui para o processo, a Cacau está passando por um trabalho intenso de observação comportamental somado ao treinamento para a caça, com a expectativa de que em breve se integrará novamente ao seu habitat.

“A fragmentação de habitats, a caça em retaliação à predação de animais domésticos e de corte, e a perda de áreas de floresta em razão da ação humana são as principais ameaças às onças. Áreas desmatadas para a produção agropecuária e a expansão de cidades diminuem as áreas de vida desses predadores, diminuindo também a disponibilidade de presas naturais. Por isso, acreditamos ser fundamental esse trabalho de resgate e reabilitação dos animais, associado com ações educativas para que a população entenda a importância de cada indivíduo no ecossistema”, finaliza Haberfeld.


Tags:,



Elite Magazine




Post Anterior

Gino Contin lança Pizzas de Verão. Confira receitas!

Próximo Post

Turismo Nova Zelândia relembra ações que inspiraram e permitiram manter proximidade com os turistas mesmo durante a pandemia





Você também pode gostar de



0 Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais histórias

Gino Contin lança Pizzas de Verão. Confira receitas!

Chef Gino Contin cria coleção com sugestões que podem ser preparadas em casa ou encontradas no Maverick Thematic Music...

11/01/2021